São Paulo, a metrópole reinventada

São Paulo, a metrópole reinventada

Criado por afa em 23/01/2018

  • 110

Ao completar 464 anos, a cidade de São Paulo mostra ao turismo do Brasil um caminho a ser seguido. 

Há poucas décadas, São Paulo era um cidade cinzenta, triste, provinciana e sem atrativos. Apesar do potencial econômico, nenhum viajante se interessava em ficar por lá um minuto além do necessário. Ao contrário: tratava de resolver seus negócios e correr para casa. Turismo em São Paulo era uma piada. Sem graça.

Quem gostaria de visitar cidade mais sem graça como esta São Paulo antiga?

Antes e depois

Isto mudou. A cidade descobriu sua vocação. Hoje esbanja vitalidade e bons resultados. Em 2017 atraiu mais de 15 milhões de visitantes (20% internacionais), um crescimento de quase 4% em relação ao ano anterior.

As taxas de ocupação dos 410 hotéis com 42 mil apartamentos (62%) melhoraram quase 5%, inclusive fins de semana – calcanhar de Aquiles da hotelaria paulistana.

Diversidade radical

São Paulo tem muito para mostrar aos visitantes. Nos seus 1500 km² convivem 12 milhões de moradores de 190 nacionalidades. Ou 21 milhões, contando a população metropolitana.

O que tem à vontade em São Paulo é shopping center: são 53 espalhados pela cidade…

… mas há também lugar para muito comércio de rua, do popular ao especializado

Não falta o que fazer. São 53 shoppings e dezenas de ruas de comércio especializado. Os 20 mil restaurantes oferecem 52 tipos de cozinha. Só perde para New York. Há 4500 pizzarias, 600 restaurantes japoneses e 400 food trucks. Completam a diversidade de atrativos 140 teatros, 115 centros culturais, 158 museus, e 184 casas noturnas, entre outros.

 

Com 20 mil restaurantes para todos os gostos e bolsos, São Paulo só perde no mundo para New York

Por trás da mudança

Quem é o principal responsável pela mudança radical do turismo da cidade? Uma organização que não conta com um centavo do Governo. Fundada há 34 anos, no início sua meta era atrair eventos e convenções para a cidade.

O entusiasmo e liderança de Toni Sando à frente do Visite São Paulo faz toda a diferença para o turismo da cidade

Mas a São Paulo Convention & Visitors Bureau evoluiu. Com o novo nome de Visite São Paulo reflete o objetivo de conquistar também visitantes de lazer, em benefício de todos os 52 setores desta cadeia produtiva.

Reação do mercado

O mercado entendeu a proposta, que segue uma tendência mundial. Hoje o Visite São Paulo conta com 700 associados de 40 segmentos diferentes – hotéis, restaurantes, locadoras, agências e comércio, entre outros.

“A cidade de São Paulo está cada vez mais competitiva e dinâmica. Ficou impossível manter um guia atualizado, pois todo dia há novidades”, celebra Toni Sando, atual presidente da Visite São Paulo, e um dos líderes da mudança.

A visão de São Paulo visto do alto, antes restrita ao Terraço Italia, hoje se expandiu por vários edifícios da cidade

O resultado do trabalho surge em todas as frentes. Hotéis descobrem seu potencial como resort urbano e oferecem pacotes para festividades da cidade. Shows com artistas internacionais atraem centenas de fãs. A tendência de olhar a cidade de cima se consolida com o surgimento de dezenas de “roof tops”. E há muito mais exemplos.

 

Artistas internacionais de peso como Axl Rose batem ponto em São Paulo

Aprendizado e gratidão

Mesmo que o Brasil ainda atraia medíocres 0,5% do 1,2 bilhão de turistas mundiais, São Paulo aponta um caminho para o resto do país. Já os paulistanos têm uma dívida de gratidão eterna com pessoas como Toni Sando e equipe, assim como todos que apostaram e contribuiram para isto.

Na cidade dos contrates, a energia frenética da cidade convive bem com o ambiente bucólico do Parque Ibirapuera.

 

Fotos