Londrina aparece em 13º lugar no Índice De Cidades Empreendedoras 2017

Londrina aparece em 13º lugar no Índice De Cidades Empreendedoras 2017

Criado por afa em 28/11/2017

  • 42

Burocracia no país é o que mais impacta a performance dos municípios em Índice de Cidades Empreendedoras 2017
 
Estudo realizado pela Endeavor, avaliou o ambiente regulatório e outros 6 pilares do ecossistema empreendedor de 32 cidades brasileiras. Além do ranking nacional, organização lança campanha “Burocracia Para Tudo”
 
Enquanto países vizinhos como México conseguem abrir uma empresa (com todas as licenças, alvarás e registros necessários) em menos de 10 dias, no Brasil o mesmo não acontece. Aqui, os empresários precisam esperar, na média das principais cidades, 62 dias para operar legalmente - são 20 dias em Cuiabá, melhor cidade nesse quesito, mas o tempo pode chegar a 163 dias úteis em municípios como Porto Alegre. O dado é da edição 2017 do Índice de Cidades Empreendedoras (ICE), que avaliou a fundo o “ambiente regulatório” de 32 cidades brasileiras, além de analisar ainda outros 6 pilares que mais impactam a vida do empreendedor: “acesso a capital”, “mercado”, “infraestrutura”, “inovação”, “capital humano” e “cultura empreendedora”.
 
O ICE é realizado pela ONG Endeavor, que avalia no total 60 indicadores para construir um índice geral e 7 rankings por pilar. O diagnóstico dá aos empreendedores e aos gestores públicos uma visão das atuais oportunidades e desafios municipais mais latentes, comparando os ecossistemas locais.
Nesta edição, o pilar de “ambiente regulatório” foi o que mais teve mudanças, impactando no ranking geral e na dança das cadeiras das cidades.
 
Ranking De Ambiente Regulatório:

1º Joinville                               11º Ribeirão Preto         21º Maringá          
2º Fortaleza                            12º Belém                      22º João Pessoa    
3º Blumenau                           13º Florianópolis            23º Maceió
4º Cuiabá                                14º São Luís                 24º Goiânia
5º Brasília                               15º Vitória                     25º São Paulo
6º Aracaju                               16º Caxias do Sul         26º Recife
7º Londrina                             17º Teresina                  27º Salvador
8º São José dos Campos      18º Campinas                28º Campo Grande
9º Uberlândia                         19º Belo Horizonte        29º Sorocaba
10º Curitiba                            20º Natal                       30º Manaus
                                                                                    31º Porto Alegre
                                                                                    32º Rio de Janeiro
 
O indicador de tempo gasto para regularização de imóveis foi um dos que surpreendeu negativamente. A espera média nas 32 cidades passou de 155 dias em 2016, para 283, em 2017. Podendo chegar a 529 dias, em São Paulo, por exemplo.
 
Curitiba se destacou - subiu 21 posições no pilar de Ambiente Regulatório, o que fez com que a capital curitibana ganhasse 11 posições no ranking geral, entrando para o TOP5 do estudo. As principais melhorias estão relacionadas à adesão a Redesim, programa do governo federal que prevê uma série de medidas para facilitar o processo de abertura de empresas. Até o início do ano, a emissão do CNPJ, que é de responsabilidade da Receita Federal, era realizada pela prefeitura. Um outro passo relevante desse novo processo foi estabelecer a consulta prévia de localização de forma integrada ao sistema da Junta Comercial, o que faz com que um empreendedor não corra o risco de abrir um empresa e só depois descobrir que não pode operar naquele local.
 
Campanha BUROCRACIA PARA TUDO

Com impacto direto no dia a dia dos empreendedores, na geração de empregos e na produtividade do país, a burocracia será mote da campanha de mobilização “Burocracia Para Tudo”.
O objetivo do movimento é colocar o excesso de burocracia na pauta do poder público, mobilizando a sociedade e pedindo pela simplificação dos processos de abertura, regularização e fechamento de empresas nos municípios brasileiros.
 
Para pressionar os gestores públicos, a Endeavor lança site do movimento (www.burocraciaparatudo.com.br) com uma petição online. Em um clique, o usuário enviará uma mensagem para 650 tomadores de decisão: todos os governadores, os prefeitos de todas as capitais, todos os deputados federais e senadores, Ministro da Fazenda, Ministro da Industria, Comércio Exterior e Serviços, e o Presidente da República.
 
Além de forte presença online, que envolverá as redes da Endeavor e de organizações parceiras, uma das apostas da campanha é a veiculação de um filme institucional, assinado pela agência ?Tech and Soul, na televisão aberta. A iniciativa conta com o apoio de parceiros como Anjos do Brasil, Aliança Empreendedora, Anprotec e Movimento Brasil Competitivo.
 
“Apesar da grande melhora em ambiente regulatório, até o ano passado Curitiba tava mal colocada no pilar - o que evidencia que as ações realizadas até agora foram de alto impacto, mas apenas o primeiro passo”, afirma Marco Mazzonetto, líder da Endeavor no Paraná. “Chegamos ao ponto onde a maioria das cidades travam e começaremos a ter desafios mais complexos, precisamos dar atenção aos projetos de simplificação para que Curitiba ocupe posições de melhor destaque no pilar nas próximas edições do estudo”, completa.
 
A ideia é que ao longo do tempo, novas pautas em torno da simplificação do ambiente de negócios, para além da abertura de empresas, sejam abraçadas pelo movimento.
 
Sobre O Índice De Cidades Empreendedoras 2017

O Índice de Cidades Empreendedoras é um estudo realizado pela Endeavor Brasil, que avalia o ambiente empreendedor de 32 cidades brasileiras sob a ótica de 60 indicadores, distribuídos nos 7 pilares que mais impactam a vida do empreendedor: ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, acesso a capital, inovação, capital humano e cultura empreendedora.
 
O ICE 2017 é uma realização da Endeavor, e conta também com o apoio de parceiros na metodologia e obtenção dos dados: SEDI, nos dados sobre tempo de abertura de empresas e regularização de imóveis, e também a EY, pelo suporte com a metodologia e coleta de indicadores para o pilar Ambiente Regulatório; e Viva Real, nos dados de mercado imobiliário; 99, parceiro no pilar de Infraestrutura com dados sobre mobilidade urbana; Anprotec, nas informações sobre parques tecnológicos; CNI e SENAI no pilar Inovação;  Neoway, pelo levantamento de empresas com patentes e softwares nas cidades analisadas e Spectra Investments nos números do mercado de capital de risco no pilar de acesso a capital. O Instituto META e a Opinion Box contribuíram no pilar cultura empreendedora.
 
Confira o ranking geral:
 
1º São Paulo                           11º Blumenau                  21º Goiânia                 
2º Florianópolis                       12º Sorocaba                  22º Aracaju                  
3º Vitória                                 13º Londrina                    23º Natal
4º Curitiba                               14º Ribeirão Preto          24º Fortaleza
5º Joinville                              15º Porto Alegre             25º Salvador
6º Rio de Janeiro                    16º Caxias do Sul          26º Teresina
7º Campinas                           17º Brasília                    27º João Pessoa
8º Maringá                              18º Cuiabá                     28º Belém
9º Belo Horizonte                    19º Uberlândia              29º São Luís
10º São J. dos Campos          20º Recife                      30º Campo Grande
                                                                                      31º Maceió
                                                                                      32º Manaus
 Para conhecer todos resultados, faça o download do relatório completo em:

www.endeavor.org.br/ice2017
Asimp/Endeavor

Fotos